Publicidade

RespeiteTransito

Hoje ajudei a socorrer vítimas de um acidente de trânsito

Compartilhe:
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sim, ajudei mais uma vez a socorrer vítimas de um acidente de trânsito, entre um carro e uma moto desta vez.

RespeiteTransito

E vou contar a historinha rapidamente para mostrar para vocês, a irresponsabilidade e de certa forma, o “egoísmo” e falta de respeito dos condutores do nosso país.

O acidente ocorreu exatamente na esquina em frente a casa dos meus sogros aqui na minha cidade, estávamos todos sentados na sombra da garagem quando passou uma moto a uma velocidade um pouco acima da adequada para a via e em seguida ouvimos uma derrapagem e um grande estrondo!

Por já ter socorrido outras vítimas de acidentes de trânsito, eu sabia que poderia ter sido algo grave, então peguei meu celular e corri para o local para prestar socorro e ajuda as vítimas.

Começando, a moto colidiu contra um carro, no carro só havia o condutor que saiu ileso, na moto, havia o condutor de 17 anos, sem habilitação, com um garupa que era seu irmão que deveria ter por volta de 10 anos.



Aqui começa a irresponsabilidade dos 2 condutores

A avenida possui uma das mão pavimentada e a outra é estrada de chão, enquanto a via que cruza a avenida é pavimentada e possui placas de “PARE” nos dois sentidos de quem cruza a avenida, o motociclista vinha pela via em uma velocidade acima do permitido e cruzou a avenida (a mão da avenida que não é pavimentada) sem parar na placa de “PARE”, enquanto o motorista do carro vinha pela mesma mão não pavimentada da avenida no sentido de “contra-mão”, e como estava na avenida, mesmo em contra mão, seguiu sem parar por estar na preferencial e o motociclista colidiu lateralmente contra o carro no canto do capô do veículo, arremessando o garupa da moto contra o condutor, que por sua vez foi arremessado contra a coluna e o parabrisa do carro.

O condutor da moto levantou e foi se deitar a sombra de uma árvore, o que é totalmente errado, por motivo do risco de danos secundários proveniente do impacto, os motociclistas sempre devem permanecer no local onde caíram, o garupa da moto, o garotinho, não sofreu nenhum dano e estava bem, assim como o condutor do carro.

Logo cheguei no local e ofereci ajuda, diversas pessoas (parentes das vítimas), estavam com celular em mãos, mas ligando para parentes enquanto o condutor da moto, ensanguentado, pedia por socorro, poxa, liguem para a SAMU, depois chamem os parentes!!!



Então falei que ligaria para a SAMU, como fiz, passei todos dados e deslocaram ambulâncias para o local, enquanto isso o condutor da moto me pediu para não chamar a polícia, pois ele é menor de idade (17 anos), sem Carteira de Habilitação, com uma moto que não era dele e com o irmão menor na garupa e confessando que ele mesmo havia cruzado a avenida sem respeitar a placa de “PARE”, pois acreditava que na mão sem pavimentação não viria carro.

Vejam o tamanho da irresponsabilidade, o rapaz, condutor da moto, sabia que não devia conduzir, e mesmo assim estava conduzindo, infringindo a lei e ainda com uma criança como carona e desrespeitando a sinalização, e o pior, os pais dos jovens, que estavam no local, sabiam de tudo isso e achavam normal a situação irregular (por isso não queriam ligar por ajuda)!

O condutor do carro, por estar na avenida seguiu a preferencial e cruzou a esquina sem parar, estava circulando na via na contra mão, pela mão não pavimentada, que por não ser utilizada com frequência, achou que poderia andar na contra mão e ainda ter preferencial!

Enfim, os dois estavam totalmente errados, e o acidente ocorreu, os dois condutores foram egoístas acreditando que o que estavam fazendo estava certo, felizmente o único ferido foi o condutor da moto com alguns cortes na mão e braço direito e alguns cortes leves na perna com um edema na coxa.



Os cúmplices

Todos os parentes do condutor da moto sabiam da situação irregular de toda a cena e ainda apoiavam a imprudência, porque antes da SAMU chegar, correram para remover a moto do local e escondê-la, enquanto alguns queriam briga com o condutor do carro por este estar na contra mão.

O irmão do condutor do carro apareceu alguns minutos depois do ocorrido querendo justificar que a culpa foi somente do condutor da moto que cruzou a placa de “PARE” sem parar!

O condutor do carro tentou justificar que estava na contra mão somente “naquele trechinho da via” porque estava com pressa indo a um casamento, sim, agora pressa é justificativa de imprudência!!!



A mentira que se torna verdade

Enquanto eu acalmava o condutor da moto e verificava se ele estava consciente, se sentia alguma dor, se não estava tonto ou sonolento, o mesmo me disse “ainda bem que eu estava devagar”, e justo nesse momento, estavam tentado ligar o motor do carro envolvido e andar com ele, um Ford Focus MK1, o primeiro modelo vendido no Brasil, e o veículo até ligou, mas não andava, porque apesar do motociclista estar “andando devagar”, a colisão que foi lateral, destruiu o paralama do lado do condutor, o parabrisa, capô, arrancou metade do parachoque, afetou longarina (a estrutura frontal do monobloco do veículo), radiadores, rasgou o pneu dianteiro do motorista e empenou a roda, sem contar os danos que devem ter ocorrido no cofre do motor, enfim, o carro quase deu perda total, teve que ser retirado por guincho.

Então o rapaz que conduzia a moto, repetiu diversas vezes para e diversas pessoas que estava devagar, mas pelo dano no carro, prova-se o contrário.



Concluindo

A histórinha ficou grande, mas é importante para ilustrar situações que infelizmente são comuns hoje em dia, imprudência, desrespeito, egoísmo e irresponsabilidade, e nesse caso, a falta de todas estas,  poderia ter custado vidas de pessoas!

Pensem bem, sempre que pensarem “não dá nada”, “nunca passa ninguém por aqui” ou “eu me garanto” por exemplo, sempre poderá ter outra pessoa pensando o mesmo!!!

Respeite o trânsito, a vida é um bem muito maior.

“No simulador e no vídeo game você tem segunda chance, na vida real não!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *